CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Mauricio Huertas: O governo faz água e o Brasil, tomado de assalto por piratas, anda na prancha cercado de tubarões

Não me venham agora os isentões reclamar que, ao cogitar desde já o impeachment ou a renúncia de Jair Bolsonaro, estaremos torcendo ou tramando contra o Brasil.

Ora, foi este também o principal argumento de defesa daqueles que se opunham à queda de Dilma Rousseff e/ou de Michel Temer.

“Preservar a governabilidade”, mas isso não parece ter sensibilizado minimamente os atuais inquilinos do poder para frear seus instintos mais primitivos.

Aliás, essa é a essência do bolsonarismo: um vale-tudo bárbaro pelo poder, com desprezo absoluto pela política institucional, pelos princípios republicanos e pelo estado democrático de direito.

Vitorioso em sua abordagem eleitoral pirata, pilhando corações e mentes da massa mais rude dos navegantes das redes sociais. E assim zarpou o novo governo em meio à tormenta, com uma tripulação celerada e rebelada à bordo, capitaneada por um excêntrico descerebrado e seu exótico papagaio da Virgínia.

Sob o mar revolto e jogando homens da prancha, a embarcação segue à deriva sinalizando o risco iminente do naufrágio. Porém, não queiram atribuir qualquer culpa injustamente a quem sempre avisou que era mais prudente manter-se em terra firme, ao invés de se aventurar entre corsários e bucaneiros ou se deixar seduzir pelo canto das sereias. Mantivemos os pés no chão. Cobrem, portanto, de quem se atirou do píer.

A água onde um navio navega é a mesma água que o afunda, diz um provérbio náutico.

Quem abriu brecha no dique e fez esvaziar a confiança no governo foram seus próprios ocupantes. O comportamento errático de Bolsonaro, as suspeitas sobre seus filhos problemáticos, o embate interno entre militares e olavistas, tudo isso mostra que o Brasil navega sem rumo. Para piorar, quem içou para o alto do mastro o texto que sugere um autogolpe, foi o próprio presidente.

Tubarões e lulas já circundam a praia, sentindo cheiro de sangue. O resto é suposição de quem observa de longe, por imagem telescópica e informação telegráfica. Mas que há amotinados no navio, não há a menor dúvida. Então é evidente o despreparo dos tripulantes e a falta que faz um mapa de navegação.

Não há bom vento para o marinheiro que não sabe onde é o porto, diz outro provérbio.

Ou alguém duvida que o impeachment entrou no radar, como avisou o fuzileiro Reinaldo Azevedo? Ou que o governo vai ruir, como afirma o velho marinheiro Lobão? Ou que a renúncia do capitão seria um gesto nobre, como defende o comissário Gilberto Dimenstein?

O governo faz água, é inegável.

Ao menos nisso Bolsonaro parece coerente, quando cobrou dos jovens “idiotas” que saíram às ruas por mais Educação a fórmula da água. O presidente demostra na prática a sua mais nova expertise. Essa substância química cujas moléculas são formadas por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio é tão abundante nesses cinco meses de governo que já está quase afundando o presidente.

Para concluir, uma sequência aleatória de cinco provérbios marítimos, que falam por si:

O navio que não obedecer ao leme terá de obedecer às rochas.

Para um navio quebrado todos os ventos são contrários.

Não construa um navio novo com madeira velha.

Quem embarca com o diabo tem de navegar com ele.

Depois de o navio afundar, toda a gente sabe como ele poderia ser salvo.

Mauricio Huertas, jornalista, é secretário de Comunicação do #Cidadania23 em São Paulo, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), editor do #BlogCidadania23 e apresentador do #ProgramaDiferente.

Deixe uma resposta