CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Mauricio Huertas: Presidente Bolsonaro, o Exterminador da Cultura

Reprodução

Qualquer ser pensante, minimamente inteligente, valorizaria a Cultura do seu país. Para um bom governante, então, é um verdadeiro bálsamo encorajar as manifestações artísticas, estimular a economia criativa e promover a qualidade de vida do seu povo.

Não é o caso do presidente Jair Bolsonaro, obviamente, como ele demonstra com essa infeliz demonização da Lei Rouanet ou com episódios tão lamentáveis quanto, como naquele já tristemente famoso vídeo do “golden shower” no Carnaval, generalizando um ato isolado e propagandeando negativamente para o mundo o maior evento da cultura popular brasileira.

Porém, nada que surpreenda para alguém que tem no combate a um suposto “marxismo cultural”, na caça a comunistas imaginários e na verborragia tuiteira suas maiores atividades intelectuais. Apenas nos entristece ver os destinos da nossa Cultura e da nossa Educação entregues a um sujeito tão despreparado, com a inteligência e a sensibilidade de um paralelepípedo. É um retrocesso inestimável.

A milícia virtual bolsonarista nunca entendeu como funciona a Lei Rouanet, autorização criada em 1991 para produtores culturais buscarem investimentos privados em troca de incentivos fiscais a essas empresas patrocinadoras. O exército de brucutus iletrados ouviu o galo cantar e repete sem raciocinar uma ideia totalmente distorcida, de que se trata de um bando de artistas privilegiados vivendo às custas do dinheiro público.

Faz parte do rol de promessas feitas por Bolsonaro para agradar a sua bolha idiotizada e ideologizada acabar com a Lei Rouanet. E ele vai fazer isso, sem dar a mínima para o fato de que irá estraçalhar a Cultura do país e pôr fim a projetos valiosíssimos, de museus a orquestras espalhadas pelo Brasil, passando por teatros, cinemas, shows musicais e festas folclóricas.

Havia erros, desvios, ilegalidades? Apure, corrija e puna! Simples assim. Mas jogar uma bomba atômica sobre o setor cultural – talvez por mera vingança pela resistência imposta ao seu nome e à sua visão retrógrada do mundo e da vida – é de uma crueldade inominável.

Uma das principais medidas que deveriam ser tomadas seria facilitar o incentivo a artistas e atividades populares, de fora dos grandes centros e que não tem tanto acesso à mídia tradicional. Claramente são estes os mais necessitados de apoio estatal e que encontram enormes dificuldades para receber algum patrocínio das grandes empresas.

Mas isso não significa que todos os atuais beneficiários da Lei Rouanet, inclusive artistas consagrados, sejam criminosos ou estejam cometendo alguma irregularidade. Só que é exatamente isso que Bolsonaro e seus milicianos tentam passar à opinião pública com seus ataques insanos e a estratégia covarde do assassinato de reputações. Tentam jogar a população desinformada contra a classe artística, transformando a Cultura em uma rinha de enfrentamento político e ideológico.

Não por acaso, é típico do comportamento fascista criar uma falsa onda moralizadora enquanto ataca direitos e liberdades individuais; levar ao poder governantes autoritários que mitificam seus membros, fortalecem milícias, impõem ideias fraudulentas e verdades absolutas; dissolver grupos opositores, perseguir adversários e instaurar o medo e a censura.

O meme que virou presidente representa um atraso de 50 anos em menos de cinco meses de governo caótico. Foi eleito democraticamente, sem dúvida, mas não é um democrata. Posa de liberal mas é um reacionário. Finge ser reformista mas é um títere do sistema defenestrado na redemocratização. É o antípoda do político republicano com seu populismo destrambelhado, um recalque provinciano e o ufanismo demagógico.

Em resumo: inculto, deseducado, irresponsável e desqualificado para o cargo que ocupa. Um exterminador armado de votos, que tenta reescrever a História e aniquilar a mémória de um povo. Ele próprio, um garrancho eleitoral a ser esquecido. Deslize passageiro num país que ainda precisa ser passado a limpo. Apesar dos pesares, que a Cultura resista!

Mauricio Huertas, jornalista, é secretário de Comunicação do #Cidadania23 em São Paulo, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), editor do #BlogCidadania23 e apresentador do #ProgramaDiferente.

Deixe uma resposta