CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Rubens Bueno: Comissão de Relações Exteriores não pode se transformar em palco de disputa ideológica

Robson Gonçalves

Deputado defende definição negociada da pauta da comissão

Na primeira reunião deliberativa do ano da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, realizada nesta quarta-feira (20), o deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR) alertou que o colegiado não pode ser contaminado por disputas ideológicas entre integrantes do governo e da oposição. Para o parlamentar, o colegiado, que é presidido pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), precisa atuar em conjunto na definição da pauta e na identificação das prioridades para o País.

Após alguns questionamentos sobre o motivo de todos os primeiros itens da pauta serem de autoria do presidente da comissão, Rubens Bueno alertou que o colegiado precisa trabalhar pela pluralidade, manter sua independência e não deixar que sua pauta seja guiada por interesses de um grupo ou de outro.

“Se nós tivermos a consciência ética do papel que desempenhamos, com certeza teremos um trabalho nessa comissão muito melhor. Até porque estamos na primeira semana, temos quatro anos pela frente, e a relação aqui deve ser a melhor entre todos nós”, ponderou o deputado.

Audiências públicas

Na reunião desta quarta-feira (20) foram aprovadas duas audiências públicas com os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, com o objetivo de debater as estratégias e prioridades das duas áreas para os próximos anos.

Na avaliação de Rubens Bueno, os encontros são importantes para colher detalhes sobre a anunciada parceria com os Estados Unidos para a utilização da base de Alcântara, a estratégia das Forças Armadas frente a crise na Venezuela e os planos da diplomacia brasileira para as relações com os países da América e de outros continentes.

Também foram aprovados dois seminários com a presença de diversos especialistas para debater os desafios da Defesa Nacional e o futuro da política externa brasileira.

Deixe uma resposta