CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Procuradoria do Ministério Público elogia preparativos do Carnaval de Brasília

Reprodução

Pré-carnaval começou no último sábado em diversos pontos do Distrito Federal

O secretário de Cultura do Distrito Federal, Adão Cândido, apresentou ao procurador distrital dos Direitos do Cidadão, José Eduardo Sabo Paes, a proposta completa para o carnaval do Distrito Federal em 2019. A reunião na semana passada contou ainda com a presença da promotora de Justiça, Marilda Fontinele e da comandante-geral da Polícia Militar, Sheyla Sampaio.

O secretário destacou o conceito de organização como norteador do megaevento que busca conciliar os interesses do poder público, patrocinadores e foliões. Ao mesmo tempo, preserva a dimensão popular, espontânea e gratuita que marca a folia na capital federal.

“É uma orientação do governo Ibaneis que tudo se faça com diálogo”, afirmou.

No encontro realizado na Biblioteca Nacional, representantes da secretaria de Cultura repassaram as medidas do poder público para dar conforto e segurança para quem brinca o Carnaval e para os moradores de áreas próximas à folia. Foi ressaltado que os eventos terão horário para começar e encerrar, podendo durar no máximo sete horas incluindo aí tempo de dispersão para ambulantes e foliões.

Setorização

Outra novidade lembrada no encontro com o MP pelo governo do DF é a tentativa de setorizar o Carnaval em pólos (Setor Comercial Sul, Estádio Nacional Mané Garrincha e Praça dos Prazeres, no Plano Piloto) que contarão com estruturas completas de sanitários, postos ligados a outras secretarias como Saúde, Mulher, Juventude, Mobilidade Urbana, Segurança Pública, Limpeza Urbana além da PM e Bombeiros.

Monitoramento por drones

A edição de 2019 será também um laboratório para a organização do Carnaval nos próximos anos. Adão Cândido explicou que foi firmada uma parceria com a Codeplan para medir os impactos da festa, inclusive com o uso de drones.

“Faremos um estudo completo a partir do monitoramento de público no Carnaval. Será um levantamento útil para a administração dimensionar o retorno que estes eventos trazem para o DF”, afirmou o titular da pasta da Cultura.

A promotora de Justiça Marilda Frontinele solicitou informações detalhadas sobre os subplanos de ação do Ciac (Centro Integrado de Atendimento ao Carnavalesco) para lidar com manifestações espontâneas que possam perturbar moradores. De acordo com Adão Cândido, as informações serão prestadas assim que todo o planejamento for concluído.

Carnaval Social

O procurador dos Direitos do Cidadão manifestou entusiasmo pelo conceito de “carnaval social”, outra marca da nova gestão que Cândido pretende imprimir ao evento. A ideia é que a iniciativa se expanda, aproveitando os dias de festa para levar oportunidades de capacitação e cultura para populações de áreas com IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mais baixo. (Secretaria de Cultura do Distrito Federal)

VEJA TAMBÉM

Adão Cândido planeja ações de combate à violência contra a mulher no Carnaval do Distrito Federal

Deixe uma resposta