PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

Mauricio Huertas: Uma “nova era” com Bolsonaro, a vanguarda do retrocesso e os emergentes da velha política

Reprodução

Tal como os resíduos tóxicos que transbordam de uma barragem fragilizada e vulnerável pela combinação assassina da negligência com a ganância, também os rejeitos da velha política contaminam o ambiente já debilitado da democracia e das instituições republicanas ao trazer a escória das redes sociais para o palco central das decisões do poder.

Perdoe a metáfora impiedosa, mas vivemos tempos de complexas e profundas mudanças tecnológicas, culturais e comportamentais, que merecem contínua reflexão, análise e consideração. A imagem de um país degradado em meio ao mar de lama é emblemática. Na era das fake news, verdades precisam ser ditas.

É ponto pacífico que necessitávamos de um freio urgente aos desmandos e abusos da máfia estabelecida no governo federal – então não foi à toa a vitória de quem mais soube explorar a radicalização antipetista, ou a aversão ao status quo. Porém, é aquela velha história: a diferença entre o remédio e o veneno está na dose aplicada.

O fato de o Brasil eleger o que já chamamos aqui de “o meme que virou presidente” criou em alguns a ilusão do aprimoramento da participação popular através de uma quase reinvenção da democracia direta, traduzida nessa espécie de ágora virtual, online e responsiva, como manda o código de etiqueta da internet, e instituída de maneira aparentemente espontânea, horizontal e descentralizada.

O brasileiro anônimo, ou o chamado “cidadão de bem” até então excluído daquilo que se entendia como “fazer política” do modo mais convencional e organizado, aliás também fortemente avesso ao sistema partidário e eleitoral vigente, ganha um protagonismo inédito, histórico e revolucionário com as suas intervenções autorais por meio de postagens, memes, lives, stories, curtidas, comentários e compartilhamentos.

Partidos, sindicatos, ONGs e associações tradicionais envelheceram rapidamente, perderam credibilidade e foram substituídos por novas plataformas, grupos no WhatsApp, comunidades no Facebook e perfis no Instagram. Velhas causas e bandeiras foram trocadas por modernas hashtags, reivindicações pontuais e manifestações difusas. A militância de esquerda, com seu antigo charme e líderes maculados pelo fiasco criminoso do PT, foi fragorosamente derrotada pelo pragmatismo dos influenciadores digitais e pelo poder ofensivo dessa nova direita.

O grande problema, na minha modesta e parcial opinião, é que apenas invertemos a mão de direção da má política. Trocamos seis por meia dúzia. Substituímos estúpidos de esquerda por boçais de direita, sem meio-termo. Não há nenhuma inovação nos métodos, práticas e conceitos. Saem os seguidores fanáticos de um lado e entram seus opositores na contramão, tão limitados e danosos quanto seus antecessores.

Ou será que dá para considerar “nova política”, ou comemorar o início da tal “nova era”, como anunciada pelo fã-clube do bolsonarismo, esse substrato ideológico que tem como guru Olavo de Carvalho e como líderes e principais expoentes Jair Bolsonaro e suas crias, além de Onyx Lorenzoni, Damares Alves, Ernesto Araújo, Ricardo Vélez Rodríguez, Joice Hasselmann, Alexandre Frota, Bia Kicis, Carla Zambelli, Major Olímpio, Major Vitor Hugo e outros que tais da vanguarda do retrocesso?

Mauricio Huertas, jornalista, é secretário de Comunicação do PPS/SP, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), editor do Blog do PPS e apresentador do #ProgramaDiferente

Deixe uma resposta