CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

IBGE: Prévia da inflação oficial fica em 0,30% em janeiro, a menor para o mês em 25 anos

Reprodução

Alimentos e bebidas foram os responsável pelo maior impacto no indicador mensal

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15), que é uma prévia da inflação oficial do País, ficou em 0,30% em janeiro, divulgou nesta quarta-feira (23) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa foi a mais baixa registrada para um mês de janeiro desde a implantação do Plano Real, em 1994. Já a inflação acumulada em 12 meses ficou em 3,77%.

Segundo o IBGE, contribuíram para conter a inflação os preços de produtos e serviços dos grupos de transporte e vestuário, que tiveram deflação na passagem de dezembro para janeiro – respectivamente de 0,47% e 0,16%. Ambas contiveram a alta de 0,87% nos preços de alimentos e bebidas, grupo que registrou o maior avanço e foi responsável pelo maior impacto no indicador mensal.

Inflação e juros

A previsão dos analistas de mercado para a inflação em 2019 caiu de 4,02% para 4,01%, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central.

O percentual esperado pelo mercado continua abaixo da meta de inflação que o Banco Central precisa perseguir neste ano, que é de 4,25% e dentro do intervalo de tolerância previsto pelo sistema – a meta terá sido cumprida pelo BC se o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) ficar entre 2,75% e 5,75%.

A meta de inflação é fixada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz Selic, taxa básica de juros da economia.

O mercado manteve em 7% ao ano a previsão para a taxa de juros no fim de 2019. Atualmente, o juro básico da economia está em 6,50% ao ano, na mínima histórica. Para o fim de 2020, a previsão continuou em 8% ao ano. Com isso, os analistas seguem prevendo alta dos juros no decorrer deste ano e, também, de 2020.

Metodologia

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 12 de outubro a 12 de novembro de 2018 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 14 de setembro a 11 de outubro de 2018 (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica. (Com informações do IBGE e G1)

Deixe uma resposta