PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

PPS terá bancada de três parlamentares no Senado; posse e eleição da Mesa serão dia 1º de fevereiro

Pedro França/Agência Senado

PPS passará a contar com estrutura de liderança partidária no Senado a partir de fevereiro

Com a eleição de Eliziane Gama (MA), Marcos Do Val (ES) e a filiação ao PPS em dezembro do ano passado de Alessandro Vieira, eleito pela Rede em Sergipe, o partido passará a contar com estrutura de liderança partidária no Senado a partir do dia 1º de fevereiro, data da posse dos parlamentares e da eleição da Mesa Diretora da Casa.

Nas últimas eleições dois senadores por estado foram eleitos e uma renovação histórica foi registrada. Das 54 vagas em disputa em 2018, 46 serão ocupadas por novos nomes, uma renovação de mais de 85%.

Tradicionalmente, as bancadas com o maior número de senadores eleitos têm direito a parte das 11 vagas da Mesa Diretora dos trabalhos. E lançam candidatos à Presidência do Senado. A Casa segue a tradição de proporcionalidade, mas nada impede que um candidato de partido com menor representação proporcional seja eleito, em caso de decisão da maioria.

A sessão de posse dos senadores é relativamente rápida, não há discurso dos parlamentares, apenas a fala do senador que irá presidir a sessão.

Como único membro da Mesa do Senado da legislatura anterior ainda no Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), deve comandar os trabalhos no dia 1º de fevereiro.

Eliziane Gama

Eleita com 1,5 milhão de votos maranhenses, a atual deputada federal Eliziane Gama (PPS) quer colocar o Maranhão no mapa político brasileiro. Ela diz reconhecer que o momento é delicado e pede serenidade para “trabalhar a renovação necessária para o Brasil”. A futura senadora promete trabalhar pela economia nacional e por mais igualdade e oportunidade para o Maranhão.

“O Brasil quer uma resposta, não apenas imediata, mas consolidada. Precisamos pensar num Brasil melhor, com mais emprego e mais renda”, diz a deputada.

Eliziane Pereira Gama Melo nasceu em Monção (MA), tem 41 anos e é jornalista de formação. Ligada à igreja Assembleia de Deus, foi a deputada federal mais votada do Maranhão em 2014, quando se elegeu para o primeiro mandato em Brasília. Ela foi deputada estadual por dois mandatos, entre 2007 e 2015. Na Assembleia Legislativa maranhense, presidiu três comissões (Meio Ambiente, Direitos Humanos e Infância, Juventude e Idoso) e comandou uma CPI de combate à pedofilia.

Como senadora, terá como suplentes o também deputado federal Pedro Fernandes (PTB), que está na Câmara desde 1999, e o médico cardiologista Bene Camacho (PTB), ex-secretário de Saúde de Imperatriz (MA).

Marcos Do Val

Eleito com pouco mais de 860 mil votos, Marcos do Val quer que as vaidades sejam deixadas de lado para que todos os parlamentares pensem no coletivo e firmem um pacto pelo Brasil.

“Nosso foco precisa ser na geração de emprego. Precisamos de todo mundo unido, para que o Brasil volte a crescer”, pede Marcos do Val, para quem a renovação no Congresso Nacional é um recado de insatisfação do povo com os políticos.

Sua principal bandeira no Senado será a segurança pública, que para ele deve ir além do “tiro e da bomba”. Segundo Marcos Do Val, existem meios mais eficientes para implementar uma segurança pública de qualidade, como os investimentos em projetos sociais, educação e estruturação da família, além de alterações no Código Penal.

Marcos Ribeiro Do Val é natural de Vitória (ES). Com 47 anos, tem ensino médio completo. Militar da reserva, é instrutor, consultor e palestrante na área de segurança pública. Tem uma empresa de consultoria e treinamento de policiais com atuação no Brasil e no exterior.

Alessandro Vieira

O combate à corrupção será a principal bandeira do senador eleito Alessandro Vieira. Delegado da Polícia Civil, ele tem 43 anos e já coordenou as áreas de perícia, estatísticas criminais, crimes cibernéticos e homicídios, chegando ao cargo de delegado-geral da Polícia Civil em Sergipe. Ele obteve 474.449 votos na eleição pela Rede, mas filiou-se ao PPS em dezembro de 2018.

“Acima de qualquer coisa, o combate à corrupção é a minha bandeira básica porque entendo que é uma necessidade, até para viabilizar a implantação das outras bandeiras”, explicou.

Alessandro Vieira faz parte do Movimento Acredito e do RenovaBR, duas iniciativas que buscam a renovação na política. Para defender essa renovação, ele disse que apoiará as medidas propostas pela Transparência Internacional, movimento mundial de combate à corrupção.

“Faço parte do grupo que apoia as novas medidas de combate à corrupção da Transparência Internacional. Há todo um conjunto de projetos de lei que serão apresentados na Câmara e no Senado, com questões atinentes à reforma política”, disse.

Como exemplos específicos de pontos que defenderá, ele citou o fim da reeleição para cargos majoritários, como presidente e governador, e o voto distrital misto, que busca aproximar eleitores dos seus representantes.

“Defenderei propostas que tragam uma renovação mais rápida e um barateamento das campanhas”, afirmou senador eleito, que também citou a educação e a segurança pública como áreas que receberão sua atenção. (Com informações da Agência Senado)

Deixe uma resposta