PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

Governo Jair Bolsonaro pode enfrentar dificuldades entre aliados, afirma Elena Landau

Clovis Fabiano/Ethos Institute

Há risco de que grupos antagônicos dificultem o avanço de políticas estruturais

O novo governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pode enfrentar dificuldades entre aliados para o avanço de políticas estruturais que dependem de aprovação do Congresso. A avaliação é da sócia do Escritório Sergio Bermudes e presidente do Conselho Acadêmico do Livres, Elena Landau, em artigo publicado na revista Política Democrática online de dezembro (veja aqui).

Produzida e editada pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao PPS, a revista mostra, no artigo de Elena, que o País passa por uma crise sem precedentes.

“Estamos vivendo a maior de todas as crises brasileiras dos últimos 100 anos. Do segundo trimestre de 2014 ao fim de 2018, tivemos a mais acentuada e longa perda do PIB desde 1900 no Brasil – Samuel Pessoa fez esse alerta em sua coluna na Folha”, escreveu.

De acordo com a autora, trata-se de um ciclo eleitoral inteiro de perdas.

“Um saldo final dos desastrosos governos do PT. Efeitos de um furacão chamado Dilma Rousseff. Que esses ventos do intervencionismo se dissipem”, acentuou ela no artigo, que tem o título “Ventania liberal”.

Segundo Elena, além da incompetência que já estava plantada na intervenção do setor elétrico, nos campeões nacionais e no descontrole fiscal, a crise foi agravada pela instabilidade das turbulências políticas.

“Mesmo depois do impeachment, a excelente equipe econômica montada por Henrique Meirelles viu naufragar a tão necessária reforma da previdência, graças ao esfacelamento ético do governo Temer que inviabilizou qualquer avanço no Congresso”, ponderou.

Havia expectativa, conforme lembra a autora no artigo, de que o processo eleitoral pudesse pacificar o componente político do cenário de crise com a escolha de um rumo que viesse atrelado ao bônus da legitimidade popular.

“Talvez ainda possamos vir a contar com esse efeito, mas o fato é que não houve debate claro com a sociedade sobre os planos econômicos do presidente eleito Jair Bolsonaro”, asseverou ela.

Com a composição dos ministérios, na avaliação de Elena, há risco de que grupos antagônicos dentro do próprio governo dificultem o avanço de políticas estruturais, especialmente aquelas que dependem de aprovação do Congresso.

“Nesse sentido, pelo menos quatro grupos diferentes têm ganhado contornos: os economistas liberais, os conservadores de base bolsonarista, os militares e os políticos tradicionais. Esses grupos têm algumas diferenças difíceis de conciliar, e Bolsonaro terá que desempenhar um papel mediador”, escreveu.

De acordo com a especialista, a constatação não é muito animadora.

“Mesmo dentro de seu grupo mais próximo, há divergências, como em relação à amplitude do programa de privatização que pode não ser tão grandioso quanto o desejado pela equipe econômica”, ressaltou. (Assessoria FAP/Cleomar Almeida)

Deixe uma resposta