PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

Rubens Bueno discute Agenda 2030 na Assembleia Geral da ONU

Divulgação

Rubens Bueno: Essa discussão faz com que, por meio da ONU, possamos construir mecanismos políticos para buscar o bem comum

Com o objetivo de debater os desafios dos países de renda média para implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, o deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR) está participando nesta semana, em Nova York, da 73ª Assembleia Geral da ONU. Em um dos eventos, que reuniu parlamentares de todo o mundo, o deputado representou o Brasil e falou um pouco do momento de transição que o país vive.

“Violência, educação de qualidade, atenção básica de saúde e geração de emprego e rendo são fundamentais para a melhoria de vida nesses países de renda média. Essa discussão faz com que, por meio da ONU, possamos construir mecanismos políticos para buscar o bem comum”, afirmou o parlamentar.

A Agenda 2030 também destacou a importância da Cooperação Sul/Sul na transferência de tecnologias para o desenvolvimento dos países de médio crescimento.

“É de suma importância participarmos deste momento de grandes decisões para que o Brasil ganhe destaque e possa não apenas contribuir como também ser beneficiado pelas decisões tomadas”, completou Rubens Bueno.

O Brasil é um dos 109 integrantes das economias de renda média de acordo com a classificação do Banco Mundial. Neste grupo vive mais de 70% da população mundial e a maioria dos habitantes do mundo em desenvolvimento.

Nestas economias, a formação total de capital bruto aumentou de 0,17 no período entre 1960 e 1969 para 0,45 entre 2010 e 2016. No entanto, todos eles enfrentam desafios que incluem mobilizar o financiamento do desenvolvimento para os focos de pobreza, incluir grupos marginalizados na economia, resolver conflitos e questões como resiliência em desastres naturais.

Os países de renda média pretendem promover economias mais sustentáveis, impulsionar o mercado de trabalho, modernizar o sistema a administração dos governos e aproveitar a inovação.

Na América Latina e Caribe, essas economias, juntas, representam 8% do Produto Interno Bruto, PIB, mundial. Esse rendimento equivale a 6% das exportações globais e cerca de 7% da formação bruta de capital fixo.

A necessidade da cooperação para o desenvolvimento sustentável e de uma maior resposta das instituições financeiras globais e regionais às necessidades deste grupo de economias também foram discutidos nas Nações Unidas (veja mais aqui). Com informações da ONU News

Deixe uma resposta