PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

PPS contesta medida provisória que corta recursos do esporte e atividades culturais

O presidente do PPS, Roberto Freire, divulgou nota pública (veja abaixo) nesta quarta-feira (13) criticando o corte de recursos para as áreas esportiva e cultural previsto na Medida Provisória 841/2018, que direciona parte da arrecadação das loterias federais para o FNSP (Fundo Nacional de Segurança Pública).

“O que vemos, mais uma vez, é o governo render-se aos interesses mesquinhos das corporações de servidores públicos com a criação fabulosa de cargos sempre refém da indicação política, ao invés da meritocracia como norma”, diz a nota.

Nota sobre a MP 841/2018 que cria o Fundo Nacional de Segurança Pública

O PPS (Partido Popular Socialista) vê com muita preocupação a criação do FNSP (Fundo Nacional de Segurança Pública) subtraindo substancialmente verbas de áreas essências de políticas públicas como do FNC (Fundo Nacional da Cultura), COB (Comitê Olímpico Brasileiro) e CPB (Comitê Paraolímpico Brasileiro), entidades que atuam no sentido da prevenção do crime, ao integrar, sobretudo os jovens, no esporte e em atividades culturais.

Uma medida necessária como a criação do Ministério da Segurança Pública, que visa integrar todos os serviços que abrangem o amplo espectro da Segurança Pública, não pode, todavia, ser efetuado às expensas de atividades que ajudam a combater a criminalidade por meio de atividades educacionais, esportivas e culturais, e restringir-se, sobretudo, a seu caráter pontual de repressão ao crime, ao invés de se adotar um sistema unificado de inteligência e combate ao crime organizado, o maior inimigo de nossa sociedade.

O PPS tem absoluta convicção do papel desempenhado pela prática esportiva e atividades culturais, como elementos centrais, a longo prazo, de criação de uma mentalidade saudável, democrática e cidadã em uma política humanista de prevenção do crime. Entretanto o que vemos, mais uma vez, é o governo render-se aos interesses mesquinhos das corporações de servidores públicos com a criação fabulosa de cargos sempre refém da indicação política, ao invés da meritocracia como norma.

Ao apostar simplesmente na repressão ao crime, caminho para uma luta perdida, o governo deixa de investir maciçamente na educação, nos esportes e na cultura, atividades essenciais se quisermos superar o estado de barbárie que vivemos hoje.

Roberto Freire

Presidente do PPS”

Deixe uma resposta