PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

Cristovam Buarque: A ira e a urna

Tudo indica que caminhamos para uma eleição em que os eleitores farão suas escolhas movidos pela raiva dos políticos atuais e não pela esperança em novos políticos. Lamentavelmente, a ira é uma má conselheira e o resultado poderá ser trágico, porque, em poucos meses ou semanas, o presidente eleito pela fúria será vítima de nova indignação Nossa maior revolta atualmente decorre da corrupção e dos privilégios que a política brasileira adota desde os tempos do Império e que têm crescido nos últimos tempos. A chamada Constituição Cidadã tem sido, na verdade, uma fonte permanente de regalias e de direitos especiais.

A raiva voltará ampliada se o próximo presidente não eliminar todos os privilégios, iniciando pelos seus e daqueles ao seu redor, também no Judiciário, no Legislativo, assim como as muitas benesses financiadas com recursos públicos que o setor privado recebe. O novo governo deverá adotar a transparência em suas decisões como forma de impedir a corrupção. Ao mesmo tempo em que selecionar colaboradores com experiência comprovada e conduta ética, também deverá, desde o início, mostrar absoluta intransigência com comportamentos inadequados no uso do dinheiro público, ou práticas preconceituosas.

Ao lado de uma postura firme, que demonstra uma ruptura com o passado, o novo governo, eleito pela ira, deverá cuidar para cumprir tudo que propuser durante a campanha. A população não aceitará novo estelionato eleitoral. Em 2013, contrariado com as promessas e com as irresponsabilidades populistas, visando votos no ano seguinte, o povo foi às ruas, sobretudo pela fraude do governo empossado em 2015.

Os discursos dos pré-candidatos em 2018 demonstram que não aprenderam. É possível imaginar o que acontecerá quando os eleitos com discurso contrário à atual proposta de reforma da Previdência incluírem outra ainda mais dura. Ou quando preferirem enganar o povo aumentando o deficit e, em consequência, provocando a alta dos juros e a volta da recessão com inflação. A ira dos eleitores não quer ouvir a verdade na eleição, mas não perdoará quando tomar conhecimento da mentira usada para enganá-los.

Ao lado da corrupção e do estelionato, a violência urbana é uma das maiores causadoras da revolta que motivará os eleitores em 2018. Muitos vão acreditar nos candidatos que se disserem contra políticos e bandidos, mesmo que tenham todas as más qualidades de muitos desses e nenhuma das boas qualidades que alguns têm. Quando o povo perceber que a proposta contra a violência não dará os resultados esperados, a inviabilidade das promessas de soluções imediatas resultará num coquetel incendiário formado por frustração e ira, que levará não apenas a impeachments, mas à desagregação da democracia e instabilidade monetária.

O povo percebeu com os últimos governos que algumas políticas sociais podem beneficiar alguns grupos e pessoas, mas não transformam o país. Mesmo assim, o eleitor irado cairá nas promessas demagógicas imediatistas. Acreditará que é possível resolver o problema do desemprego mesmo sem responsabilidade fiscal, que uma economia ineficiente pode servir ao povo pela vontade de governos populistas, que na democracia o governo tem poder absoluto. Quando perceber que isso não acontece, o novo governo será rechaçado proporcionalmente ao número de votos que os irados frustrados lhes deram.

A solução para esse risco é termos candidatos responsáveis e comprometidos com a verdade, que digam ao povo que os próximos anos exigirão sacrifícios em nome do país. Que não há futuro para ninguém se o Brasil for mal e que para ele ir bem será preciso trabalho, compreensão e sacrifício de todos, desde que se iniciando pelos de cima, a começar pelos próprios políticos. Com leis, decretos, ações explicitadas na campanha, o candidato do programa sério, responsável e patriótico pode perder a eleição, mas se ganhar plebiscitariamente, o novo presidente terá força para executar o programa referendado pelo povo.

Pena que as pesquisas eleitorais mostrem que os candidatos não estão pensando nem mesmo para os dias depois do 1º de janeiro de 2019. Parece que o futuro só vai até 30 de outubro de 2018. Parecem divididos entre os que querem usar a ira sem medo da frustração, os que não se sentem culpados da ira e pensam que o povo esqueceu suas irresponsabilidades, e aqueles que nem percebem a raiva, esquecendo que a ira, além de fazer votar errado, também acende fogo. (Correio Braziliense – 05/12/2017)

Cristovam Buarque é senador pelo PPS-DF e professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

Deixe uma resposta