PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

Clóvis Rossi: O período Lula/Dilma enriqueceu ainda mais os mais ricos

Deu na Folha, no fim da semana passada: “A desigualdade de renda no Brasil não caiu entre 2001 e 2015 e permanece em níveis ‘chocantes’, de acordo com um estudo feito pelo World Wealth and Income Database, instituto de pesquisa codirigido pelo economista Thomas Piketty, conhecido por seus estudos sobre desigualdade com a obra ‘O Capital no Século 21′”.

Nada que quem me lê –se há alguém que o faça– não soubesse. Cansei de escrever que não passava de lenda a intensa propaganda do lulopetismo de que a desigualdade caíra no Brasil.

Agora que a mesma constatação sai em inglês, é possível que os tapuias passem a acreditar.

O fato é que os mais ricos ficaram ainda mais ricos no governo do suposto “pai dos pobres”: os 10% mais ricos da população aumentaram sua fatia na renda nacional de 54% para 55%, enquanto os 50% mais pobres ampliaram sua participação de 11% para 12% no período, informa a bela reportagem de Fernanda Perrin e Natália Portinari.

Mais: o crescimento econômico do período, que foi mais que razoável, foi abocanhado em 61% pelos 10% mais ricos, sobrando apenas 18% para a metade mais pobre.

Era inevitável que isso acontecesse quando se sabe que o Bolsa Juros, que vai para os mais ricos, representa uma doação do governo 14 vezes superior ao que o Bolsa Família dá aos mais pobres. Distribuição de renda, pois, às avessas: de todos para os mais ricos.

Quem perdeu foi a classe média, os 40% espremidos entre os 10% mais ricos e os 50% mais pobres: sua participação recuou de 34% para 32%.

Não volto ao assunto para me vangloriar de ter sido um dos raríssimos jornalistas a gritar, uma e outra vez, que o rei estava nu. Não me vale mais para nada: à esta altura da vida e da carreira não tenho futuro, só passado.

Volto ao tema por dois motivos: primeiro, lamentar a preguiça da intelectualidade brasileira, que engoliu mansamente a patranha da queda da desigualdade, sem se dar ao trabalho de pesquisar se era mesmo verdade.

Aqui, cabe uma honrosa exceção: os economistas do Ipea e a da UnB Marcelo Medeiros, Pedro Souza e Fábio Castro fizeram, sim, o que se espera de pesquisadores e chegaram à mesma conclusão que agora aparece no trabalho de Marc Morgan. Mas o trio escreve em português e sua pesquisa não teve a difusão necessária.

Uma autocrítica: o jornalismo também foi preguiçoso e comprou acriticamente a propaganda oficial de que a desigualdade caíra.

Segundo ponto, mais importante: reduzir a desigualdade é relevante? Para mim, é. Mas para as próprias vítimas dela talvez nem seja tanto. Afinal, Lula continua com alto prestígio entre os mais pobres, o que se explica, acho, pelo fato de que a renda deles aumentou, menos do que a dos ricos, mas aumentou.

O raciocínio parece ser o seguinte: se eu ganhava 10 e agora ganho 11, pouco me importa se quem ganhava 50 passou a ganhar 52.

Outro ponto correlato: há de fato políticas que reduzam a desigualdade? Não estão no horizonte, a não ser em termos genéricos (tributação maior sobre os ricos, igualdade de oportunidades na educação, por exemplo).

Quem sabe na próxima campanha eleitoral surjam propostas. É obsceno um país em que os 10% mais ricos ficam com 56% da renda nacional, quando até nos EUA, que não se orgulha propriamente de seu igualitarismo, essa faixa de renda abocanha 10 pontos percentuais menos. (Folha de S. Paulo – 12/09/2017)

Deixe uma resposta