CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Reforma da Previdência custará R$ 18,6 bilhões até 2018 caso não seja aprovada pelo Congresso Nacional

A reforma da Previdência a cada dia que passa se mostra mais necessária para corrigir injustiças e garantir o seu funcionamento em médio e longo prazo. A sociedade brasileira precisará decidir se estará disposta a resguardar as gerações futuras. Consciente de seu compromisso com o País e com as reformas que o Brasil tanto necessita, o PPS tem desempenhado um papel importante na votação das propostas que tramitam no Congresso.

Contudo, a crise política que atinge a nação pode atrapalhar a análise da PEC da Previdência enviada ao Congresso pelo governo federal. Segundo cálculo realizado pelo Ministério da Fazenda, a pedido do jornal O Estado de S. Paulo, o adiamento na votação da proposta custará após as eleições de 2018 ao menos R$ 18,6 bilhões aos cofres públicos.

Com isso, o presidente que for eleito nas próximas eleições teria que aprovar as mudanças previdenciárias já no primeiro semestre de seu governo para evitar prejuízos maiores. Caso consiga, o impacto fiscal positivo apareceria somente em 2020. Dessa forma, deixariam de ser economizados pelo INSS cerca de R$ 4,8 bilhões em 2018 e R$ 13,8 bilhões em 2019.

Reforma mais dura

Segundo o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, o adiamento da aprovação da reforma vai exigir uma compensação mais forte do próximo presidente a República para equilibrar a conta. O mesmo diagnóstico foi feito pelo ministro do TCU, José Mucio Monteiro,  ao afirmar que o grave problema não pode ser mais adiado.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que vai  colocar a proposta em votação no plenário no mês de agosto.

Deixe uma resposta