PARTIDO POPULAR SOCIALISTA

PORTAL NACIONAL

PPS lança plataforma online de doação partidária com cartão de crédito

Sandro Egues

O PPS lançou nesta semana a plataforma online QUERO DOAR (acesse aqui) que permite a realização de doações ao partido mediante o uso do cartão de crédito. As contribuições poderão ser feitas apenas por pessoas físicas e o valor anual não poderá ultrapassar 10% dos rendimentos declarados no Imposto de Renda do ano anterior. Já o limite diário de doações  é de R$ 1.064,99.

O secretário de Finanças do partido, Regis Cavalcante, ressaltou que a iniciativa tem o objetivo de modernizar o processo de arrecadação de fundos no País e já adotado em outras democracias (veja vídeo abaixo).

"Queremos mostrar que somos independentes"
“Modernizar processo de arrecadação”

“Nós estamos fazendo algo que aponta para a modernidade. Todo cidadão, entendo que o PPS corresponde com suas visões e posições políticas e sociais, poderá contribuir espontaneamente para o partido. A plataforma permitirá doações dentro do limite estipulado por lei e poderão ser feitas por meio do cartão de crédito”, explicou.

Instituição independente

Regis Cavalcante afirmou que a plataforma sinaliza para a sociedade que o PPS busca ser uma instituição independente e capaz de gerar recursos por meio de doações pessoais de militantes, filiados e simpatizantes.

“Queremos mostrar que somos uma instituição independente e que podemos gerar recursos por meio de doação pessoal pela internet, sem os vícios  da velha política que utiliza a propina e doações ilegais para se perpetuar no poder. O partido busca ser educativo com o funcionamento dessa plataforma. Queremos ganhar todos àqueles que acreditam no PPS e vê em nós um partido da esquerda democrática”, afirmou.

Resolução

De acordo com a resolução 23.464/15 (veja aqui) do TSE (Tribunal Superior Eleitoral),  os partidos são proibidos de receberem doações de origem estrangeira, de pessoas jurídicas, pessoas físicas que exerçam atividades decorrentes de concessões ou permissões ou autoridades públicas.

Deixe uma resposta