CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Pollyana solicita a ministro da Saúde equipamentos e UPA para cidades paulistas

Saulo Menão

Preocupação é com disponibilidade de leitos e equipamentos para radioterapia

A deputada Pollyana Gama (PPS-SP) reuniu-se nesta terça-feira com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para tratar das reivindicações das cidades de São Paulo. “Foi uma reunião objetiva e tivemos a oportunidade de apresentar pontos importantes que entendemos que o Ministério da Saúde precisa olhar e fazer acontecer, como o atendimento de média e alta complexidade, o que inclui cirurgias de pequeno a grande porte”, disse a parlamentar, ao sair da reunião.

Dentre outros, acompanharam Pollyana os secretários municipais de Saúde do município de Taubaté, doutor Ebran; de Itatiba, doutor Flávio, acompanhado do secretário de governo e do prefeito da cidade, Douglas; também participou o vereador Wagner, de Jundiaí.

Reivindicações

Ao falar sobre as reivindicações que levou ao ministro, Pollyana disse que tem visitado as cidades do interior paulista e que nesse contato direto com a comunidade e com as lideranças – prefeitos e vereadores – , foi informada a principal necessidade é a questão da retaguarda hospitalar, da disponibilidade de leitos. “Isso exige algo que nós solicitamos hoje: que o teto estabelecido para o atendimento de média e alta complexidade precisam ser deliberados por parte do ministro”.

Segundo Pollyana, “outro ponto é a questão de estrutura, de equipamentos, como por exemplo equipamento de radioterapia para a região do Vale do Paraíba, em especial para a cidade de Guaratinguetá”. Esse equipamento para Guaratinguetá vai possibilitar o atendimento para toda a microrregião do Vale que precisa desse tratamento  e, de uma certa forma, atender melhor em outras regiões que prestam esse serviço hoje, informou a deputada”.

A parlamentar solicitou ao ministro que viabilize aparelhos para mamografia e radioterapia para o Vale do Paraíba. Além da questão dos equipamentos, Pollyana tratou com o ministro sobre a estrutura física também. “No caso de Taubaté, nós apresentamos a necessidade de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) 24 horas na parte alta da cidade, que é uma região que está em crescimento, e que precisa desse equipamento de saúde para que as pessoas sejam ali atendidas e não precisem atravessar a cidade para conseguir o atendimento em casos de emergência e urgência”.

Deixe uma resposta