CIDADANIA23

PORTAL NACIONAL

Carmen diz que vai continuar lutando por mais recursos para a saúde

Robson Gonçalves

Zanotto conclamou os parlamentares a aprovar segundo turno da PEC da Saúde

A deputada Carmen Zanotto (SC), vice-líder do PPS na Câmara, anunciou nesta quarta-feira (18), em audiência pública na Comissão de Seguridade Social, que vai continuar a luta pela aplicação de mais recursos para atender às “urgentes” necessidades da saúde pública.

Autora do parecer da Proposta de Emenda à Constituição 01/205, a chamada PEC da Saúde, já aprovada em primeiro turno pela Casa por mais de 400 votos, a parlamentar afirmou que está preocupada com a declaração do ministro Ricardo Barros (PP-PR) de que os problemas fiscais a serem enfrentados pelo governo Temer não vão permitir a aplicação de novos recursos da União para injetar no SUS (Sistema Único de Saúde).

A PEC aumenta os recursos federais para a saúde nos próximos sete anos.

“Que não tem dinheiro, todos sabemos. Até porque há uma grave crise econômica, com a consequente queda de arrecadação. Mas é preciso reconhecer que o estado falimentar da saúde pública também é provocado pelos sucessivos contingenciamentos orçamentários. Ano após ano, a União reduziu recursos”, argumentou.

A audiência pública tinha como convidado o ministro da Saúde, Ricardo Barros, mas ele não pode comparecer devido a compromissos no Palácio do Planalto, segundo a assessoria.

Epidemia

A deputada disse que a crise na saúde pública se tornou mais grave com a proliferação do mosquito Aedes aegypti, a epidemia da dengue e a disseminação do zika vírus. A deputada alertou também para o surto de microcefalia que tem afetado centenas de crianças no país. “Sem novos recursos, o SUS não tem como atender essa demanda de caráter emergencial”, completou.

Cidadania

De acordo com Carmen, o aumento do desemprego está fazendo com que as pessoas que não podem mais pagar plano de saúde busquem atendimento no Sistema.
No final de sua fala, a parlamentar disse que SUS é uma das maiores conquistas da cidadania brasileira na Constituição de 1988. “A saúde pública não pode ser tratada como uma questão orçamentária. Temos de resolver essa questão crucial para a população”, conclamou Zanotto.

Deixe uma resposta